fundo parallax

Santa Ceia

ovo
Nem mole, nem duro
29/09/2016
 

Santa seria se não nos levasse ao ‘pecado’... Ah, a gula.

Comum é encontrar amigos, colegas ou parentes que possuem uma árdua rotina de trabalho e responsabilidades para tocar a vida. Constatei (confesso que por experiências próprias também) que a fome de colar o estômago nas costas ao chegar em casa depois das onze da noite faz despertar a hiena que vive dentro de nós!

No caminho da geladeira para a pia da cozinha já engolimos algo da embalagem antes mesmo de devorarmos o que tiver pela frente sem critério ou cuidados com a preparação. Ou mandamos ver naquela pratada de comida. Enquanto nos deliciamos, e pensando loucamente na cama que nos aguarda, sentimos o quanto abençoado é este momento.

O sono mal dormido pela digestão longa, demorada e tardia, a sensação de estufado e a impressão que ao acordarmos fomos à corrida da Pampulha de tão cansados que nos sentimos ao despertar coloca em xeque tal hábito.

Então deveríamos nos preocupar em o que ingerir na ceia? Certamente, sim. Fato quase insano com a demanda de atividades diárias que nos rodeiam. Mas, a ideia é não pensar no que fazer ou esquentar para comer nos minutos antecedentes à refeição enquanto nos arrastamos da garage para a porta de casa. Segue algumas dicas para que com um par de horas por semana dedicado a uma lista de compras e ao supermercado você consiga se livrar dos desconfortos pelo exagero e saciar a fome da noite:

 

• Evite carnes, frios, queijos gordurosos, frituras e embutidos;

• Evite pães de massas brancas, densas e muito fermentadas;

• Opte por torradas integrais e ao invés de lambuza-las com manteigas e laticínios utilize geleia de frutas (preferencialmente caseira);

• Frutas são excelentes opções guarnecidas de açaí, mel, granola, aveia...
• Evite tomar leite, achocolatados e sucos industrializados;

• Queijo branco, pão integral e biscoitos integrais listam o que colabora;

• Vegetais no vapor (que você já pré-preparou e só finalizou na água quente) satisfaz a lista do que ajuda;

• Bolos simples de farinhas integrais ou de frutas, sem recheios e coberturas com café ou chás. Ótimo!;
• Evite bolos recheados ou com coberturas excessivas;

• Damascos, ok! Biscoito de polvilho, ok;

• Conservas, não. Macarrões de preparo instantâneo, nem pensar!;

 

Enfim. A listagem das dicas, que são só de caráter aconselhável e sem nenhuma propriedade médica ou nutricional, demostra a linha de pensamento que é optar por alimentos saudáveis, não industrializados e sem concentração de sal e sódio. O comer lentamente ajudará, também a controlar a ansiedade e, consequentemente, a sensação de fome.  A ideia não é um conceito de dieta para regime, mas ajudar para saciarmos a fome do período noturno, dormirmos melhor para acordarmos mais dispostos e leves para que aí sim, desfrutarmos de um café da manhã colonial e digno de quem adora comer. E, assim, por estar alimentado corretamente passar o dia melhor, saciado e mais disposto. Café da manhã completo, almoço moderado e ceia restrita. A receita está dada, assim seja. Amém!

Chef Prof° Davi Furigo de Melo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *